6 de nov de 2010

Sétimo Semestre

O que mais me marcou no sétimo semestre foi a interdisciplinar de LIBRAS porque aprendi que linguagem de sinais não é puramente mímica e gestos, e refletir sobre as pessoas surdas e a maneira de interagir com elas, a cultura surda e a comunidade surda é importante e necessário, primeiro para desmistificar a ideia que todo surdo é mudo, segundo porque a comunicação entre elas é igual como a fala entre ouvintes.

A linguagem que os surdos utilizam para se comunicar possui gramática específica e própria e essa língua não é universal, pois, cada país possui a sua língua de sinais, conforme sua cultura. No Brasil utilizamos LIBRAS - Linguagem Brasileira de Sinais. Essa língua possui alguns parâmetros que formam os sinais: *configuração das mãos e os sinais podem ser realizados com uma ou duas mãos, mas não pode começar com a direita e ir trocando , fazendo sinais com a esquerda, é importante que escolha com qual mão fará os sinais, para não acontecer confusão, os sinais podem ter ou não movimentos; *expressão facial e/ou corporal, numa conversa é muito importante as expressões para identificar o sentimento.

Como meu interesse ficou maior depois da interdisciplinar comecei o curso de LIBRAS módulo 1 no primeiro semestre de 2010, mas tive que trancar o módulo 2 devido ao estágio e TCC, mas em 2011 darei continuidade aos outros módulos.

Também no sétimo semestre pude realmente entender que o planejamento é fundamental para o bom desenvolvimento do trabalho do professor. Hoje fazer um planejamento para mim é ir além, pensar no que pode vir, não é uma coisa estanque, que tem um fim e daí partir para outro assunto. Pode-se globalizar diferentes disciplinas, trabalhar de maneira que o aluno não se sinta sobrecarregado, mas que tenha interesse no que está vindo e que apresente novos enfoques.

Também no segundo semestre de 2009 entrevistei alunos da EJA , objetivamdo conhecê-los em suas características sócio-demográfica, sócio-cultural e sócio-cognitiva. O que justificou esta proposta foi a escassez de registros históricos sobre a Educação de Jovens e Adultos na região da grande Porto Alegre e pela falta de dados que caracterizem melhor as pessoas que frequentam a EJA.

Os alunos da EJA têm como característica serem sujeitos com falta de escolaridade anterior e com um modo de vida de seu grupo de origem, que compartilham a baixa escolarização, um contexto de pobreza e dentro de um determinado grupo cultural, apresenta diferentes níveis de competências e dificuldades, que nos mostra uma grande heterogeneidade. Com certeza trabalhar com EJA é tarefa desafiadora ,mas sendo a escola um local de confronto de culturas e local de encontro de singularidades oportuniza o aluno a ser sujeito do seu próprio pensar, e, portando principal autor e ator de sua própria aprendizagem.

19 de out de 2010

Sexto Semestre

Destaco esse parágrafo na leitura que fiz para a interdisciplina Questões Étnicos-Racionais na Educação, A escola......... "ela sempre foi um lugar onde se passa um conhecimento da tradição ocidental, um conhecimento científico que pudesse ser aprendido e, depois,ampliado. Educação cabe à família. Educar é incutir valores nas pessoas. Valores são atributos de pessoas, não de instituições. Pessoas vivem valores, fatalmente os filhos também viverão e assumirão um comportamento mais adequado. E quando os pais não os têm? Sobra para a instituição escolar. Isso arrepia os educadores,não é verdade? porque sempre me questiono sobre o papel da família na formação dos filhos (alunos). Entendo que o exemplo é muito importante para qualquer pessoa , criança ou adulto e que só podemos "cobrar" o que realmente vivemos. Então como esperar alunos educados se a família independente da classe social nos últimos tempos não consegue fazer o seu papel, não consegue transmitir seus valores , porque com o passar dos anos ela própria, a família foi perdendo ou esquecendo seus valores, não ouve mais conversa, contação de histórias, diálogos. Venho de uma família onde o respeito pelos meus pais sempre prevaleceu, mas com um certo medo junto, mas apesar disso o diálogo aconteceu e através das conversas e histórias contadas fui formando meu caráter e criando meus valores, que hoje tento passar para meus filhos, sei que com o passar dos tempos eles consguirão ter os seus valores definidos, quem sabe um pouco diferente dos meus. Vejo que ultimamente as crianças não respeitam mais os pais, não tem vergonha do que fazem, e estrapolam independente do lugar que estejam, em casa, na escola, fazendo o que querem e bem entendem, porque não sofrerão punição, os pais não sabem o que fazer e muitas fezes negam o que os filhos fazem, porque nem sabem o que os filhos fazem, eles os pais não tem tempo e acabam passando a mão por cima dos acontecimemos. Então quando recebemos alunos, sem limites, sem atenção, sem saber o que é certo ou errado, precisamos muito afetivamente tentar resgatar a criança que está no seu íntimo, que pode amar, conversar, entender, transformar, aprender, brincar, e principalmente conviver em sociedade, respeitando seus direitos e deveres.
Com certeza este assunto mexeu muito comigo  e foi o que levou a desenvolver meu TCC, cujo título é FAMÍLIA, ESCOLA E APRENDIZAGEM.

15 de out de 2010

Quinto semestre


Neste semestre podemos montar um Projeto de Aprendizagem, em grupo, usamos uma página de wiki para trocar idéias e com isso .
Tivemos que registrar dúvidas e certezas, e escolher um tema que fosse  de interesse comum no grupo. Meu grupo escolheu pesquisar sobre, A influência da TV.
No inicio achei que seria difícil trabalhar em grupo com projeto, mas conseguimos nos organizar e até montar Mapa Conceitual, isso aprendemos no Cmaptools. O trabalho foi prazeroso, porque todas se envolveram e tudo deu certo porque o grupo foi bastante participativo.
Compreendo que há várias formas de chegar a um conhecimento e o projeto é uma proposta que garante a flexibilidade e a diversidade da experiência educativa. O trabalho com projeto deve atender aos interesses dos alunos o que faz os questionamentos deles serem tão importantes. O professor coordena as trocas, os alunos relatam suas descobertas, socializam suas dúvidas. Trabalhar com projetos não é uma tarefa nada fácil visto que ainda muitos professores não tem conhecimento do mesmo e se preocupam muito mais com os conteúdos que devem ser desenvolvidos.
Gestão democrática acredito que seja oferecer um ensino de qualidade, onde todos tomem parte das decisões e ações relativas ao ensino e ao funcionamento da escola. Sendo assim uma escola democrática necessita de uma gestão democrática, que por sua vez deve ter autonomia e participação dos diferentes segmentos da comunidade escolar, representados por pais, alunos, professores e funcionários. Pude neste semestre pensar e escrever sobre meu ambiente de trabalho, sobre o espaço escolar, ou seja, o que tem dentro da minha escola, sobre os alunos que atendemos e sobre os problemas com relação aos estudantes e também analisar o PPP da escola que foi construido com a participação de todos os segmentos da escola.


8 de out de 2010

Quarto Semestre

Com base no quarto semestre é que desenvolvi meu Projeto de Estágio “O trabalho que desenvolverei refere-se a interdisciplina do Eixo IV - Representação do Mundo pelos Estudos Sociais, pois a partir dos Estudos Sociais se pode conhecer e compreender o modo de vida de pessoas que viveram em outras épocas e ou em lugares distantes daquele no qual vivemos . É entender nossa vida no presente, por se tratar de um assunto que enfoca, sociedade, cultura, socialização, diferenças sociais e culturais no espaço e no tempo. Pretendo privilegiar a história de vida e a história social dos alunos e das alunas, acompanhando datas significativas para seu grupo social e para a sociedade que está inserido, levando-os a compreender que a História é um instrumento de identidade e conscientização, que muda, que transpassa o tempo, que se perpetua , e que todos fazemos parte de uma história e temos um papel fundamental na história que ajudamos a contar, compreendendo o espaço produzido pela sociedade, suas desigualdades e contradições, as relações de produção que nela se desenvolvem, bem como a apropriação que essa sociedade faz da natureza”.(Relatório de Estágio, Marta Silva, 2010)

Acho muito importante a história de cada um, então com essa interdisciplinar constatei que estava correta, porque sempre tive o cuidado de registrar a história de vida dos meus filhos, através de fotos e relatos, dos acontecimentos mais importantes, para uma posterior leitura, quando eles se interessarem e quiserem saber e até montar sua linha de tempo. Pois como eu não tive isso registrado e quase não me lembro da minha infância, pois na época era muito caro o “retrato” e meus pais não escreveram sobre mim, mas minha mãe guardou minha carteira de vacinação, certidão de batizado , e um caderno da segunda-série, e fiquei tão feliz por poder ver e lembrar de coisas que aqueles objetos me lembravam. Montar minha linha do tempo foi ótimo, porque descobri mais coisas sobre mim mesma e proporcionar isso para os alunos foi um desafio, já que tiveram que buscar estas informações. A noção de espaço a noção de tempo é um processo de construção e acontece em etapas. Importante é não esquecer destas etapas e trabalhar e desenvolver atividades relacionadas a elas com os alunos, exigindo deles o que são capazes de fazer. Percebo que a minha localização espacial não é boa, tenho medo de me perder, mesmo sabendo que posso perguntar, não me sinto segura em ir a algum lugar , sem conhece-lo.

Também gostei da atividade com sombras ( Ciências), foi muito interessante , tanto em casa, com os filhos quanto na escola, com as crianças, pode-se observar que conforme o tempo ia passando a sombra também ia mudando de lugar. Mas o que os alunos mais gostaram foi de criar suas próprias sombras, não somente com as mãos, mas com objetos também.

29 de set de 2010

Terceio Semestre


Todas as disciplinas estavam interligadas e possibilitaram a realização de aprendizagens de forma bem criativa. Neste semestre poi as leituras serviram como reflexões importantes para minha vida pessoal e profissional.

Ir a Bienal foi muito legal, principalmente em grande grupo, a disciplina de Artes Visuais despertou o valor pelos diferentes tipos de arte, entendendo que “tudo” é arte depende, só do olhar de cada um. Em Artes Visuais pude identificar as diversas tendências que existem e que há influência das tendências tradicionais, escolanovista e tecnicista na ação dos professores no ensino-aprendizagem de arte.

Na interdisciplina de Teatro entendi que todos podem improvisar, mas cada um dentro de suas limitações, por exemplo , sou uma pessoa que não gosto de interpretar , então preciso respeitar isso também no meu aluno, mas ao mesmo tempo, preciso leva-lo a vencer um pouco sua timidez. Ao meu tempo que não gosto de estar no palco, adoro ser expectadora porque no teatro me divirto, imagino, viajo, fantasio, brinco, volto a ser criança.

A disciplina de Ludicidade e Educação além de me mostrar o valor da brincadeira me fez participar do fórum dos sonhos onde descobri que as pessoas são cheias de sonhos e que eu sou uma sonhadora e que por isso vivo e almejo a cada dia um dia melhor , com grandes realizações. Pois no momento que paramos de sonhar, não se tem mais vontade de viver.

A disciplina de Música pra mim foi algo prazeroso de trabalhar com os alunos, mas não de trabalhar comigo, pois tenho vergonha de exposição, mas os alunos adoraram e a música principalmente as rodas cantadas fizeram parte da rotina na aula. Pude também refletir muito sobre a qualidade das músicas que ouvimos, pois a música representa uma importante fonte de estímulo, equilíbrio e felicidade para a criança..

Na disciplina de Literatura Infantil entendi a importância da contação de histórias, do estímulo, entonação, personagens, e estou estimulando o gosto e o interesse pela leitura como fonte de informação nos alunos fortalecendo o gosto pela leitura e escrita. É muito importante contarmos as historias com emoção e escolhermos boas histórias que chamem a atenção.

Este semestre foi um resgate a minha infância, mostrou que a diversão e o lúdico são essenciais para a criatividade e o bom desenvolvimento dos alunos, eles necessitam conhecer e participar do teatro, cantar, sonhar, brincar, fantasiar, conhecer os artistas, compositores e boas músicas

23 de set de 2010

Segundo Semestre


Segundo semestre, foi um voltar ao passado e valorizar o presente. Percebi através das leituras que a educação é um assunto que não tem fim, que precisa ser discutido e revestido sempre, pensando no melhor.

Poder fazer minha linha do tempo, foi muito importante e muito interessante trabalhar com as minhas memórias porque resgatei a minha história, precisei lembrar do passado, perguntar coisas, descobrir fatos e assim valorizei ainda mais a História que faço parte, no contexto social e histórico. Na disciplina de Escolarização, Espaço e Tempo na Perspectiva Histórica juntamente com Infância de 0 a 10 anos muitas descobertas eu fiz pois estudamos a história da educação no Brasil. Partindo deste trabalho criei um memorial com esta interdisciplina conheci o trabalho da Escola da Ponte, que realmente é a escola dos sonhos. Li o Manifesto dos Pioneiros e analisei partes do texto e então conheci alguns nomes famosos na história da educação no Brasil, também pude montar e tive acesso a vários textos interessantes e úteis para enriquecer meu conhecimento.

Com a disciplina de Fundamentos da Alfabetização, refleti sobre alfabetização e letramento e desmistifiquei um pouco o meu medo de alfabetizar. Relembrei e refleti sobre o passado, do meu tempo de aluna de Magistério quando aprendi sobre os níveis (pré-silábico, silábico, silábico-alfabético e alfabético), retomei PIAGET, tenho que dizer que esta interdicisplina foi muito importante para relembrar.

Sem contar que aprendi sobre FREUD, onde vi um excelente filme “Freud, além da alma” e identificamos diversos conceitos (Inconsciente, repressão, complexo de Édipo, transferência, sintoma, método de hipnose, associação livre, sonhos), também refletimos sobre os conceitos ego, id e superego em sala de aula e na relação professor e aluno.

As trocas no fórum foram muito importantes e necessárias, pois assim parecia que estávamos em uma sala de aula, conversando umas com as outras, tendo a participação do professor(a).

13 de set de 2010

Blogs / Primeiro Semestre

No primeiro semestre as expectativas eram grandes, afinal fazer uma faculdade à distância era tudo o que eu queria, mas não imagina que com ela viria tantas coisas novas e novos conhecimentos e habilidades, onde prevaleceria uma proposta diferenciada, diferente de tudo que já tinha ouvido falar, com o uso das tecnologias.

As atividades em grupo foram diferentes, porque se davam sem ter o contato físico, tive que aprender a fazer uso da internet para trocar ideias com as colegas. No início isso foi difícil, mas depois uma ajudava a outra.

O trabalho com BLOG, parecia tão difícil , mas motivador e prazeroso onde pude interagir, ler e fazer comentários, pesquisar, viajar. Utilizando o blog aprendi muito pois ele é uma ferramenta de fácil utilização, o que facilitou para as pessoas publicarem suas ideias, acontecendo trocas entre escolas, alunos, professores favorecendo assim a produção escrita e a leitura. Mas trabalhar com blog só foi possível pela necessidade do curso.

No primeiro semestre também fizemos uso do pbwiki e do ambiente ROODA, quanta confusão, postagens erradas, postagens deletadas.

A troca de ideias nos fóruns e nas wikistórias foram diferentes, porque não era comum, não fazia parte da minha rotina, ler o que o outro escreve e poder contribuir e receber questionamentos e contribuições.

Foram muitas leituras, contribuindo para a prática, onde conheci Jose Saramago, Marx, Engels, Durkheim,Weber, Paulo Freire e sua maravilhosa experiência, leituras sobre informática educativa.A atividade ECS de visita aos blogs e acesso aos outros polos foi uma atividade interessante.

Hoje terminando a Graduação, vejo o quanto as ferramentas de tecnologia foram importantes para desenvolver as diferentes interdisciplinas. Principalmente no primeiro semestre onde tive que aprender sozinha a mexer no Blog, errando e acertando, felizmente tivemos a interdiciplina de TIC's que me auxilio-u. Hoje é algo tão normal falar em blog, que é até estranho quando alguém diz não saber mexer, ou não gostar dessa ferramenta.

23 de ago de 2010

Último Semestre

Ano 2006, vestibular, preocupação, desejo, leituras, insegurança, mas acima de tudo vontade. 
Tudo foi tão rápido, o tempo  depois de vivido parece que  simplesmente passou,  aconteceu e então esquecemos o quanto foi difícil e quanto tempo tivemos que nos dedicar para realizarmos as atividades pessoais , profissionais e estudantis.
Primeira aula presencial do 9º Semestre, parece mentira o estágio já aconteceu e a impressão é que já faz tanto tempo, mas não  fazem só alguns dias, pouco mais de um mês.
Agora TCC , quanta responsabilidade, porque para desenvolver um excelente trabalho é preciso dedicação, leitura, tempo, aprendizagem.
Tenho certeza que em 2011 estarei formada e esses 4 anos que se passaram , foram de novas aprendizagens, mas principalmente de transformações de informações em conhecimento. 
Estar cursando Pedagogia já exercendo a profissão foi realmente muito importante para poder refletir sobre o que acontece no ambiente escolar.

5 de jul de 2010

Terminando!!!

Bem!!!! Este semestre chega ao fim e com ele também termina as preocupações e dúvidas quanto ao Estágio.
Já terminei minha primeira versão do relatório de estágio e mandei para minha orientadora, que tem me ajudado muito, ela realmente tem paciência com a minha pessoa e me atende com muito carinho e preocupação, mesmo não conversando com ela, sinto isso, afinal nos falamos através de e-mails.
Na quarta-feira terei o workshop, e minha apresentação está  voltada, para as atividades que os alunos fizeram, porque eles foram os protagonistas do meu Estágio.

Meu Estágio foi tempo de:

  • refletir;
  • colocar a teoria lida, trabalhada, estudada em prática;
  • relacionar teoria e prática por meio da vivência entre professora e alunos;
  • avaliar e se auto-avaliar;
  • angústia, frustrações, medo, alegria, enfim, vários sentimentos que se misturam e se complementam;
  • descobertas, surpresas, troca de informações;
  • novas aprendizagens

28 de jun de 2010

Relatório

Desenvolvendo o relatório de Estágio, quanto mais leio, mas coisas tenho a acrescentar.
Deixo registrado aqui um pedacinho do meu relatório.

[...] os alunos são influenciados pela sociedade que os cerca. Foi curioso começar a trabalhar sobre o Rio dos Sinos, porque nos desenhos e na escrita, os alunos se posicionam de uma maneira crítica, como ouvem dos outros, ou vêem na TV, mas nas ações tudo é diferente... durante esta semana os alunos conversaram muito sobre a atual situação do Rio dos Sinos, leram reportagens, viram fotos, ouviram histórias, fizeram desenhos, escreveram sobre o assunto e construímos tipo um mapa conceitual, eles mostraram ter uma posição a favor do cuidado com o rio, e serem contrários a poluição, mas nas suas ações não é isso que acontece, porque mesmo tendo participado da aula no barco, sabendo das notícias que foram manchete sobre a cheia no Rio, das conseqüências, das doenças, dos prejuízos, ainda parece que o rio é algo bem distante, que não precisam dele, porque podem "tomar água mineral", e não precisam da água do Rio dos Sinos, mas ao mesmo tempo acham que ela não faz mal, porque relatam que comem peixe do rio, alguns são favoráveis a tomar banho no rio no verão. Sem falar do lixo, que parece não ser responsabilidade deles, continuam jogando no chão e ainda se é pedido pra juntar, dizem que não, porque "não fui eu quem jogou". Claro que não dá para generalizar e parafraseando Paulo Freire (1996) "É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática", porque tem alguns alunos que se destacam e demonstram através das ações terem consciência que é preciso praticar o que é dito”. (MARTA, 2010).

21 de jun de 2010

Final semestre!!!!

Quem diria , quase fazendo TCC, falta tão pouco, só um semestre, mas antes ainda tem Relatório de Estágio e Workshop.
Parece tanta coisa, em tão pouco tempo, mas sei que darei conta, porque se cheguei até aqui, seguirei em frente e em 2011 já estarei formada e lembrarei com carinho dos momentos que passei, do que sofri, das madrugadas, da caixa de e-mail cheia, das colegas, dos professores, das aprendizagens, das leituras, dos trabalhos em grupo, enfim....
Em especial me lembrarei de alguém que é simplesmente 10, a professora Dóris, ela está me acompanhando desde o semestre passado, foi quando começou a ser professora da Pedagogia à distãncia. Tiro o chapeu para esta professora, que é exemplo, que está sempre em contato, que se preocupa com suas orientadas e que é uma pessoa humana , preocupada e sensível, que me ouve e me orienta.
Acho que todo professor precisa ser modelo e simplesmente a professora Dóris o é. Assim como também oi a tutora Suélen, que era parceira e estava sempre pronta a ajudar.
Acho que um curso a distância só dá certo pela vontade e esforço do  aluno, mas principalmente pela resposta que este aluno tem do outro lado do computador. É preciso motivação, e esta só é encontrada em pessoas que se disponibilizam , que se fazem presentes , mesmo estando ausentes.

14 de jun de 2010

Estágio!!!!

Refletindo sobre meu estágio vou de encontro as palvras de Paulo Freire em Pedagogia da Autonomia "É o meu bom senso que me adverte de que exercer a minha autoridade de professor na classe, tomando decisões, orientando atividades, estabelecendo tarefas, cobrando a produção individual e coletiva do grupo não é sinal de autoritarismo de minha parte. É a minha autoridade cumprindo o seu dever" (Freire.1998, p. 68). A presença do professor como orientar é muito importante para dar andamento ao processo de ensinar e aprender.
Durante meu estágio foi assim que me senti , uma orientadora que ao propor diferentes atividades incentivava os alunos a irem em busca de respostas e de tentar resolver suas dúvidas através de seus conflitos e da troca com os outros colegas. 
Promovi o diálogo e não realizei simplesmente um repassar conteúdos, o que proporcionei aos meus alunos foram atividades diversificadas onde ele a prncipal fonte de pesquisa era o interesse do educando, o seu questionamento, as suas dúvidas e certezas.
Termino meu estágio tendo a certeza que acrescentei algo na vida escolar de cada aluno da turma 5A3, porque os alunos que comecei o estágio sofreram uma transformação perceptível durante o processo e estavam diferentes no final do mesmo, mais interessados, participativos e independentes. 

7 de jun de 2010

Afetividade!!!

“Para aprender, necessitam-se dois personagens (ensinante e aprendente) e um vínculo que se
estabelece entre ambos. (...) Não aprendemos de qualquer um, aprendemos daquele a quem
outorgamos confiança e direito de ensinar” (Fernández, 1991, p. 47 e 52).

Entro na última semana de estágio , mas posso dizer que os alunos que comecei o estágio são diferentes dos que termino o estágio, isso pra mim é gratificante, pois mostra o quanto foi importante uma mudança na vida destes sujeitos, eles estavam acostumados a uma rotina, a um professor e eu cheguei para desestabiliza-los. No início, foi difícil a convivência, porque tudo que é novo, incomoda. Então a minha entrada na vida escolar deles foi até motivo de rejeição, mas com jeito e conversa  consegui que eles entendessem que as pessoas são diferentes e que precisamos ter novas oportunidades e tentar mudar ou pelo menos se adaptar . Precisei muitas vezes ter pulso forte , chamar a atenção, mas também precisei demonstrar muito carinho , ser afetuosa, mostrar que me importava, e que notava as diferenças que iam acontecendo em cada um. E no momento que  os incentivava  , eles iam melhorando.

6 de jun de 2010

BLOG DA TURMA 5A3

Vale a pena conferir o blog da minha turma de Estágio, você vai gostar de ver as produções dos alunos, esperamos os comentários.

http://turma5a3.blogspot.com/

31 de mai de 2010

Diferenças.............

Durante esta semana pude perceber  mudanças nos alunos ,consegui ver que eles estão mais pensantes e  reflexivos, assim meu planejamento está atingindo-os, por que antes eles não conseguiam esperar e ouvir os colegas, a preocupação maior era estarem sempre ocupados, sem tempo ocioso, porque senão virava bagunça.
Se a educação deve ser oportunizada igualmente para todos , acredito que também é preciso pensar em que tipo de aluno tenho, suas necessidades , respeitando seu tempo e dando oportunidade de transformação significativa.
Como durante estas duas ultimas semanas fizemos um PA sobre o Rio dos Sinos, onde aconteceu pesquisa, entrevistas, palestra e até o passeio-aula no Barco Martim Pescador, deixo aqui registrado trabalhos dos alunos, mas não posso deixar de observar  que, para os alunos foi mais fácil  escrever suas aprendizagens do que falá-las .
No blog da turma http://turma5a3.blogspot.com/ estão postadas outras evidências de aprendizagem .


24 de mai de 2010

Avaliação!!!!

Durante a semana que passou conversei  com a professora titular sobre a turma 5A3, afinal é final de trimestre e ela estava preocupada com  a avaliação, tanto é que havia me pedido para incluir no meu planejamento avaliação escrita( prova), formal e individual. Tenho que relatar que não estava preocupada com a avaliação em si, porque  pra mim tudo que eles fazem é motivo de avaliação, só assim consigo acompanhar o progresso do meu aluno, mas como ela precisava de "comprovantes" para mostrar para os pais, entreguei os trabalhos que já havia guardado e também fiz as avalições que ela pediu. Não sei se felizmente ou infelizmente, as avaliações individuais vieram de encontro ao que já era percebido, porque a maoria dos alunos que não acompanha a turma, ou que não consigo atingir, são aqueles que não conseguem se concentrar, ter a atenção no que estão fazendo, as atividades não os interessam e  estão mais preocupados no que os rodeia ( pode até ser um lápis que caiu no chão, ou a cortina que balançou), do que com eles próprios,  tudo os distraem e assim acabam se prejudicando.
Apesar disso estou feliz, porque percebo que consegui atingir alunos que eram dependentes, que não caminhavam sozinhos e que esperavam pelo outro. As atividades que estou proporcionando está modificando a maneira de pensar e agir de alguns alunos e também a vontade  que tenho deles serem independentes está sendo percebida, e isso é muito bom. 
Tanto é que até conseguimos montar "tipo" um mapa conceitual, com a participação de todos, sobre o Rio dos Sinos, onde as palavras foram se encaixando e as conexões feitas para depois serem elaboradas frases e produção textual.

17 de mai de 2010

Aprendizagem significativa

Esta semana posso dizer que realmente tive uma aprendizagem muito importante, constatei que meus alunos tem emoção, que sabem demonstrar isso e que por trás de um aluno agitado, agressivo e muitas vezes desatento ou mesmo do aluno aplicado e quieto , existe um sujeito que necessita de carinho, atenção e da família.
Acredito que hoje em dia , a escola tem muitas funções que não cabem a ela, e que a familia está deixando de lado o seu papel principal, que é o "olhar", a "atenção, o "dar valor para as pequenas coisas" que os filhos fazem . A criança necessita de amor, limites, conversa, entendimento e hoje mais do que nunca, as familias não acham tempo para isso. A preocupação maior é o "ter" e como ter alguma coisa, precisam trabalhar e deixam os filhos para outras pessoas cuidarem (ou muitos se cuidam sozinhos) e para a escola educar.  
Uma mãe disse na apresentação de sábado que ela gostou de ficar com o filho e ver ele se apresentar de poder participar das brincadeiras , porque em casa não faz isso e não tem tempo para ele, que é bom esses momentos na escola onde ela pode dar atenção para seu filho.
Posso relatar que a atividade de sábado valeu, mesmo que apenas 8 mães(havia entre estas tia e avó) tenham participado, mas haviam 18 alunos que deram valor para o que a escola proporciona para as famílias e compareceram na apresentação que foi muito emocionante e linda.
Espero que estas crianças lembrem quando forem adultas de como é importante participar da vida dos filhos, mesmo que seus pais não participem da sua, pelo motivo que seja , e espero que eles façam o possível para estar presente em todas as oportunidades oferecidas, porque estas serão lembradas para a vida toda.
 Infelizmente na comunidade que trabalho os pais não participam muito, mandam os filhos para a escola e muitas vezes  nem buscam boletim e nem comparecem quando são chamados, também não dão valor aos cadernos e trabalhos realizados.
Penso que estas crianças são vencedoras porque  caminham muitas vezes sozinhas, sem muito incentivo, mas com muita cobrança .

10 de mai de 2010

Se as coisas fossem mães

Após a leitura do livro Se as coisas fossem mães de Silvia Orthoff , que na verdade foi lido no computador, em uma apresentação de PPT, os alunos  criaram suas estrofes e então foi montado um livro da turma , que não estava no meu planejamento, mas que deu uma motivação a mais para as crianças.

3 de mai de 2010

Terceira Semana

(clique na imagem para ampliar)


Faço minha postagem a partir da escrita desta minha aluna.
Sei que meus alunos de quinto ano aina  vem de uma caminhada "construtivista", onde não deveria se dar ênfase aos "erros" ortográicos, mas daí paro pra pensar....................
 O que faço hoje?????
Este pequeno relatório minha aluna escreveu em casa, onde poderia ter pedido ajuda, olhado o dicionário, lido várias vezes o que escreveu, mas pelo que percebi, a certeza era tão grande que a escrita estava de acordo , que o fato de não estar escrito corretamente, não a perturbou. Se prestar atenção , a preocupação está nos detalhes, nas cores, nos enfeites. Não parece relevante que  devemos escrever de maneira que qualquer pessoa consiga ler, não é necessário ter letra bonita e sim legível, e o mais importante é o entendimento de todos, por isso a importância de uma escrita convencional,  com regras  , que são seguidas por toda uma sociedade.
Assim diante deste o que faço?? me angustio de perceber que os alunos a cada dia escrevem de maneira não convencional, onde eles próprios não entendem o que escreveram se questionados depois de alguns dias, porque escrevem faltando e trocando letras, letras estas essenciais para o sentido da palavra.
Sei que quanto mais se lê, melhor se escreve, mas também sei que a leitura precisa ser significativa para os alunos, então ............ como levar meu aluno a escrever melhor????
Se ele próprio não lê o que escreve .

26 de abr de 2010

SEGUNDA SEMANA

Durante esta semana procurei desenvolver as atividades pensando no ritmo de cada um, já que na semana passada tive uma visão melhor da turma. Então realizei atividades em grupo, onde eles precisavam pensar e trabalhar juntos respeitando o tempo de cada um onde um podia ajudar o outro. Mesmo assim alguns alunos ainda não conseguiram acompanhar o seu grupo de trabalho.
Entendo que a aprendizagem é um processo no qual passamos por várias etapas na construção de noção de tempo e de  espaço , mas vendo os alunos trabalharem em grupos, dá pra observar que ainda são muito individualistas e que não respeitam o tempo do outro e também o espaço que ele precisa ocupar, opinando, perguntando , tentando vencer suas dificuldades e contribuir com suas hipóteses.



Então mais do que nunca constato que é preciso  planejar , levando em consideração a caminhada dos meus alunos, mas também é preciso planejar indo de encontro as suas necessidades, ou melhor ao que não estão acostumados a fazer e tentar fazê-los trabalhar e pensar diferente.

Segundo Paulo Freire, "... o ato de ensinar exige a existência de quem ensina e de quem aprende. Quero dizer que ensinar e aprender se vão dando de tal maneira que quem ensina aprende...observado a maneira como a curiosidade do aluno aprendiz trabalha ...."(FREIRE, Paulo.1993) .

19 de abr de 2010

Teorias

Bem, durante a semana passado depois do comentário da professora Dóris, precisei complementar meu Projeto de Estágio, no início fiquei meio chateada, porque havia me dedicado tanto ao Projeto, que pensei que estava de acordo.
Após o comentário precisei refazer leituras e embasar melhor meu Projeto teoricamente. Tenho que dizer que foi bom porque assim compreendi melhor Vygotsky e Paulo Freire, meus autores escolhidos.
 Em Vygotsky " o homem é um ser social formado dentro de um ambiente cultural historicamente definido ", porque seu funcionamento psicológico não está pronto previamente, não nascendo com as pessoas, mas também não é recebido como um pacote pronto do meio ambiente. Sendo ele é um autor interacionista , leva em conta coisas que  vem de dentro do sujeito e coisas que vem do ambiente, para ele é fundamental que o aluno se insira num determinado ambiente sócio-cultural onde as interações sociais terão um importante papel para o desenvolvimento humano [...] não fosse o predomínio dos pseudoconceitos, os complexos da criança seguiriam uma trajetória diferente daquela dos conceitos dos adultos, o que tornaria impossível a comunicação verbal entre ambos (VYGOTSKY,1993, p 58), a relação pensamento/linguagem não nasce com o sujeito , mas sim se desenvolve com o passar do tempo.
Vigotsky valoriza a ação pedagógica e a intervenção nas situações de aprendizagem dentro de sala de aula, o fato do sujeito aprender vai definir por onde o desenvolvimento vai se dar, assim o sujeito se desenvolve porque aprende. 
Em Freire  a Pedagogia do diálogo é a base de todo aprendizado, se fundamentando numa filosofia pluralista, onde o que se espera é respeitar o ponto de vista do outro, tendo o seu. Assim “Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo” (FREIRE, 1987, p. 13).
Ao ter que melhorar meu Projeto também melhorei meu entendimento, e vi realmente que os autores que escolhi tem tudo haver com o que acredito.

13 de abr de 2010

Planejamento

Planejar , é algo que precisa de tempo . Infelizmente o tempo foi pouco com relação ao Projeto de Estágio , porque a aula foi na 4ª feira, e até domingo precisava estar pronto o Projeto e uma semana de aula. Esta tarefa foi muito desgastante , mas consegui vencê-la.
Na correria de planejar , ler, digitar, escrever, montar xerox, scannear, uma leitura me marcou,  um diálogo de Paulo Freire com as clases populares, quando ele começa a questionar sobre , porque ele  Paulo sabe , e os trabalhadores dissem que não sabem. Os trabalhadores sendo questionados acham respostas para os questionamentos e no meio afrimam que DEUS quis. Então Freire pergunta quantos filhos um trabalhador  tem e esse responde que 3 e aí ele questiona, se este pai daria mais coisas a um filho do que aos outros e o pai responde que não, assim Freire coloca ,que se DEUS é o pai de todos , como iria dar mais pra um filho do que para os outros. Os trabalhadores então chegam a conclusão que a escolha é do próprio Homem.
Esta leitura veio bem a acalhar para minha motivação e escolha do meu tema  Pluralidade , porque onde trabalho a comunidade quase não almeja, são acomodados,   não vislumbram um futuro diferente e melhor, esperam as coisas acontecerem, eles precisam é de questionamentos, visão de outras realidades, mostra de mudanças, comparações, para verem que são capazes de correr atrás do que querem, que é possível mudar, mas que para mudar é preciso querer.

5 de abr de 2010

Reflexão sobre aprendizagem!!!

Ser um educador problematizador,  uma vez que “... ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para sua produção ou sua construção”. (FREIRE, 2000, p. 52), me parece um grande desafio, visto que  a turma que farei estágio, está habituada a receber "coisas" prontas, eles tem uma rotina, estão sempre com atividades, porque não conseguem saber o que fazer com o tempo livre.
O diálogo nesta turma não é uma constante, no momento que um se preocupa com a vida do outro , esquecem de um acrescentar algo ao outro, e então as discussões acontecem e vira fofoca.
O descobrir,construir, pesquisar, ouvir, trocar com o colega não é um costume desses alunos.
Sei que terei que promover o diálogo, a escuta ,para eles poderem interpretar, descobrir, aprender, dizer, compartilhar, assim se abrirão para o  questionamento e quanto mais  perguntarem, mais a curiosidade aparecerá e espero  que a aprendizagem flua, porque só aprendemos quando estamos dispostos, quando nos abrimos ao novo e quando nosso interesse é agusado.

25 de mar de 2010

Aula presencial

Não posso  deixar de registrar no início do semestre minhas frustrações referente aos outros semestre, sei da importância do blog, mas........................ 
Todo semestre a mesma coisa, obrigatoriedade para os alunos, 15 postagens no BLOG, mas pra quê???
Por que fazer tantas postagens e não ter acompanhamento?? A promessa existe, que os blogs serão acompanhados e comentadados, não consigo deixar de lembrar da professora Marijane dizendo isso no início do 7º semestre e.......................................................... .
Chegamos no 8º semestre e muitas das minhas postagens não tiveram comentários.
Lembro que no iníco, no primeiro semestre tivemos que criar um  Blog Pessoal , este era  destinado principalmente para as atividades da professora Suzana  e ela realmente deixava comentários e considerações construtivas nas postagens . Depois disto o Blog não foi mais usado como deveria, até durante um tempo foi meio esquecido. 
Então tivemos que criar um blog para o PORTFÓLIO, onde registramos nossas aprendizagens e atividades, considerações, dúvidas e até relatamos  frustrações.
Por isso escrevo que faço minha parte , mas o retorno não é o prometido e penso que nenhum aluno gosta de ser cobrado e não ter retorno, pelo menos meus alunos, gostam de ter cadernos vistos e temas corrigidos, necessitam ser lembrados.
Espero que neste semestre aconteça o que está no  http://peadsaoleopoldo.pbworks.com/Portfolio-de-Aprendizagens

"faremos leitura semanal com vistas a identificar aquelas que necessitam esclarecimentos. É muito importante que todos aprimorem as postagens a partir dos comentários de tutores e professores.”

Porque no meu estágio quero e vou levar em consideração o que  aprendemos no VII EIXO

"que cada um é um sujeito especial , singular, que tem suas especificidades".


18 de mar de 2010

Estágio

Quem diria , estou realmente no ultimo ano de Pedagogia, já se passaram tantas aprendizagens, reflexões, não posso dizer que foi ontem que comecei, porque com certeza conciliar vida pessoal, trabalho e faculdade não é fácil e cansa. Mas passou rápido e estou junto com minhas colegas na reta final, faltam só dois semestres.
E por falar em estágio, ontem entrei na turma que farei o estágio( porque a profesora titular estava de atestado) é um 5º ano, aproveitei assim para fazer uma observação mais de perto.
Pude perceber que a turma é interessada e agitada,  conseguem realizar as atividades, mas tem alunos que conseguem chamar a atenção e acabam tirando a concentração dos outros colegas. Eles são infantis e tem umas brincadeiras "bobas", ficam se xingando e colocando apelidos  e isso acaba irritando o colega apelidado e então partem para agressão física, o professor precisa ter um olhar atento e interferir, conversar. 

Essa é a turminha

 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios